ANDRÉ PESSOA
Profissional de Educação Física

Compartilhe a página!

Fique atualizado!

Cadastre seu e-mail:

Fique atualizado(a) FeedBurner

Categorias de Artigos

IFBB-RIO FanPage

ATENÇÃO ATLETAS QUE DESEJAM SE FEDERAR NA IFBB-RIO! A PARTIR DE HOJE OS DOCUMENTOS (FOTO 3X4, RG, COMPROVANTE DE RESIDENCIA E COMPROVANTE DE PAGAMENTO DEVERÃO SER ENVIADOS ATRAVÉS DE FORMULÁRIO ESPECÍFICO NO SITE IFBB RIO LINK "SEJA FEDERADO". ALÉM DESSE CANAL, OS MESMOS DOCUMENTOS PODERÃO SER ENTREGUES NA SEDE Rua Álvaro Ramos, 5 - Botafogo - RJ - Cep 22280-110 - Tel. 2541 5430 / 2542 9145 É OBRIGATÓRIO ENVIO / APRESENTAÇÃO DE TODOS OS DOCUMENTOS DESCRITOS. ... See MoreSee Less

15 hours ago

View on Facebook

Instagram Pergus

O Campeonato Arnold Classic South America será realizado no CENTRO DE CONVENÇÕES RIOCENTRO localizado na Avenida Salvador Allende, 6.555 – Barra da Tijuca – Rio de Janeiro...

LEITE “ENGROSSA” A PELE?

Sou Profissional de Educação Física e Vice Presidente da Federação de Culturismo e Fitness do Estado do Rio de Janeiro (IFBB-RIO). Tive a grande oportunidade de participar da fase evolutiva do esporte. Anteriormente sabia-se muito pouco sobre os métodos e meios que atletas de fisiculturismo utilizavam em suas rotinas de preparação para os campeonatos. Os físicos apresentados nos palcos eram as justificativas covardes de alguns pesquisadores que se negavam a incentivar pesquisas específicas, sob alegação da interferência do uso de esteróides anabolizantes. Uma ciência sem coerência, pois aceitavam uma final olímpica onde homens ditos normais e saudáveis, diminuíam suas marcas humanamente impossível a cada campeonato mundial e olímpico, sem o menor questionamento.

Poucos sabem que a base do treinamento do fisiculturismo vem das grandes potências do treinamento de força, antiga União Soviética, Cuba, China  desde dos anos 40. Métodos hoje desconhecidos por muitos, foram testados e adaptados pelos  fisiculturistas precursores no esporte. Ao contrário que muitos imaginam, o “empirismo” não é a base de treinamento dessa modalidade, mas infelizmente é utilizado por pessoas sem conhecimento técnico para responder questionamentos ou justificar procedimentos e métodos.

Acredito que a pesquisa é um caminho burocrático, porém válido para “derrubar” tabus e ou explicar ações e reações. No fisiculturismo existem muitos temas polêmicos porém, com o crescimento do esporte, a aproximação das grandes e competentes empresas de suplementos, especialização e intercâmbio nacional e internacional dos treinadores, a “ciência” está mais próxima e por isso, acredito que as discussões e debates estão mais intensos e frequentes. Vejo isso como ponto positivo para todos envolvidos no esporte. Para o alcance da excelência e respeito pleno, meu pensamente é que nós temos que inverter a direção da pesquisa e aplicar ao pé da letra a técnica mais básica de qualquer estudo, que é,  se alguma reação ou resultado foi observado, é imprescindível saber o por que!

Nesse artigo o tema é o questionamento, onde até que ponto é verdade que a ingestão do leite, ou melhor dizendo, a lactose prejudica a definição muscular. Acredito que o fato, a pesquisa e as experiências devem ser as bases para uma conclusão fidedigna do assunto. Em outras palavras, se aconteceu com um ou dois atletas de fisiculturismo, precisamos saber por que aconteceu. Necessitamos pesquisar o fato. Estudos apontam que é impossível o leite “engrossar” a pele, pois sua digestão é feita no intestino, fato este que não daria tempo de chegar até a pele. Além disso, concluíram que uma possível interferência na definição muscular seria em razão da retenção hídrica celular proporcionada pela atração da molécula (lactose) com a água.

A lactose, principal alvo dos defensores que o leite atrapalha a performance estética, é o açúcar encontrado no leite, um dissacarídeo formado por uma molécula de glicose e uma de galactose. Por ser uma molécula muito grande, a lactose precisa ser degradada em compostos absorvíveis nas microvilosidades do intestino delgado. Essa degradação é feita pela lactase, uma enzima hidrolítica que possibilita a quebra da lactose em monosssarídios, especificamente em dois açúcares simples, a glicose e galactose, esta última que vai ao fígado onde é transformada em glicose. Ambas podem ser absorvidas pelo sistema digestivo. É um carboidrato, e contém 4 calorias por grama. Algumas pessoas têm uma deficiência na produção dessa enzima, o que caracteriza a intolerância à lactose. Um indivíduo intolerante à lactose que consuma leite pode sofrer de dores abdominais, cólicas e diarreia, devido ao acúmulo de água na luz intestinal em virtude do efeito osmótico causado pela incapacidade de fracionar a molécula de lactose para ser absorvida (McArdle, 2003).

Será que os casos evidenciados de “engrossamento da pele” coincidentemente foram experimentados por atletas com intolerância a lactose, sem conhecimento do diagnóstico? Será que o vilão é a lactose?

Além disso, o leite também contém sódio, mais precisamente 50mg por cada 100ml de leite, podendo ser um fator considerável e que possa também justificar a dificuldade de definição muscular em razão da retenção hídrica.

Analisando os nutrientes dos tipos de leite na tabela abaixo, é possível identificar componentes conhecidos e evitados pela comunidade do fisiculturismo.

 

Outro ponto importante a ser considerado, é a tentativa das empresas em filtrar o leite pasteurizando. Esse processo faz com que as proteínas e enzimas sejam destruídas. As enzimas ajudam o processo digestivo, e se destruídas o leite torna-se difícil de digerir, provocando um bloqueio no sistema de enzimas.

Outro ponto interessante, é a existência no mercado de dois tipos de Whey Protein mais utilizados por atletas e alunos das salas de musculação, o concentrado e o isolado. Ambos podem passar pelo processo de hidrólise tornando absorção pelo organismo facilitada (Whey Protein hidrolisado). O isolado possui maior teor de proteína, não contém gordura e dependendo do sabor também é isento de lactose. Então, o que dizer sobre alegação de alguns fabricantes de não conseguirem retirar a lactose do Whey de chocolate? Imaginem a quantidade de pessoas que consomem o Whey de chocolate e defendem que a lactose do leite “engrossa a pele”?

Como dito no início do texto, precisamos deixar o “ranço” de escutar aqui e repetir ali, sem ao menos pesquisar, testar e avaliar os resultados. O Fisiculturismo está bem servido de profissionais sérios e competentes, com condições plenas de uma vez por todas, banir os tabus, crenças juntamente com aqueles que insistem em aprisionar o esporte através de conceitos desatualizados e obscuros.

Sobre o leite “engrossar a pele”, na prática alguns atletas que usaram em sua preparação, não obtiveram bons resultados nos palcos. Coincidência?

Sobre a alegação do motivo do leite “engrossar a pele” ser a lactose, sugiro aprofundamento nas pesquisas.

O Fisiculturismo e Fitness tem suas particularidades e procedimentos como qualquer modalidade esportiva. Aquele que não conhece, antes de criticar ou “inventar”, conheça o esporte, regras e critérios. É preciso saber o “por que” das estratégias. É preciso pesquisar ao invés de inventar ou somente copiar.

 

Forte abraço!

 

André Pessoa

Vice-Presidente IFBB-RIO

Comments are closed.